USO DOS SISTEMAS NOAA E DMSP NA DETECÇÃO DE QUEIMADAS

(17/06/2014)

Evaristo Eduardo de Miranda

Christopher D. Elvidge

Carlos Fernando Paniago

 

A dimensão atingida pela prática das queimadas na região tropical do planeta tem sido objeto de preocupação e polêmica a nível nacional e internacional (CEPAL, 1990; Fontan, 1993) e mesmo local (Silva, 1994). Esse fenômeno é generalizado na agricultura brasileira (John, 1988; 1992) pois está presente nos sistemas de produção menos intensificados como os de caça e coleta dos indígenas e na agricultura mais intensificada como a cana de açúcar, o algodão e os cereais.

Um sistema de monitoramento orbital de queimadas foi desenvolvido em conjunto por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, do Núcleo de Monitoramento Ambiental – NMA/EMBRAPA e da organização não governamental ECOFORÇA – Pesquisa e Desenvolvimento com base no uso de imagens do satélite NOAA /AVHRR. Com o apoio da Agência Estado – (AE) foram elaborados programas de computador e rotinas informatizadas que organizam os dados diários de detecção em mapas semanais, mensais e anuais. Operacional desde 1991 esse sistema é objeto de aperfeiçoamentos constantes.

O Defense Meteorological Satelitte Program (DMSP) Operational Linescan System (OLS) possui a capacidade única de detectar baixos níveis de radiação no próximo infra-vermelho (VNIR) durante a noite. Com os dados da banda VIS do OLS é possível detectar nuvens iluminadas pela luz lunar, além das luzes de vilarejos, cidades, centros industriais, fogo de queima de gases e fenômenos efêmeros como queimadas, incêndios ou nuvens iluminadas pelas luzes. Métodos para a detecção e geolocalização das fontes emissoras de VNIR presentes na superfície terrestre durante a passagem noturna do DMSP-OLS foram desenvolvidos pela NOAA e Universidade do Colorado. Séries temporais foram usadas para estabelecer e distinguir as emissões de luzes estáveis das cidades, vilarejos e centros industriais das queimadas e incêndios. Produtos de detecção de fogos e queimadas ativas durante o período noturno foram gerados para o Brasil assim como produtos referentes as luzes das cidades.

Esta iniciativa busca comparar as diferenças e convergências na detecção de queimadas pelos sistemas NOAA/AVHRR e DMSP/OLS em função da amplitude de seus sensores (fig. 1), confrontando resultados obtidos em passagens obtidas em horários muito próximos (fig. 2 e 3). Os dados serão comparados incialmente através de uma estrutura de grade, com a contagem do número de queimadas detectadas por cada sistema. Um primeiro teste está sendo realizado para algumas datas de mês de agôsto de 1995. Espera-se como resultado uma metodologia de tratamento da informação de possa conjugar os dados obtidos pelos dois sistemas de forma operacional, levando a um aprimoramento do monitoramento espacial e temporal das queimadas no Brasil.

 

Publicado em:

 

MIRANDA, Evaristo Eduardo de ; PANIAGO, C. F. A. ; ELVIDGE, C. D. . Uso dos Sistemas NOAA e DMSP na detecção de queimadas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 1996, Salvador. Uso dos Sistemas NOAA e DMSP na detecção de queimadas. São José dos Campos: INPE/SELPER, 1996. p. 2.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *