MODERNIZAÇÃO INDUZ A CONSERVAÇÃO

modernizacao induz a conservacao (1)

(01/04/2007)
Evaristo E. de Miranda

Adriana Vieira de Camargo de Moraes

Cristina Criscuolo

“O monitoramento das queimadas tem demonstrado como a expansão da agricultura moderna tem levado a uma redução no uso do fogo”

modernizacao induz a conservacao (2)

As mudanças tecnológicas da agricultura brasileira adquiriram tal magnitude que podem ser vistas do espaço. A incorporação de novas tecnologias, como por exemplo, o plantio direto em cerca de 23 milhões de hectares, ou alterações na ocupação das terras, como a substituição de terras ociosas por agricultura intensificada, transformam a paisagem rural em tal escala que são passíveis de monitoramento por satélite.

Nos últimos anos, a Embrapa Monitoramento por Satélite desenvolveu sistemas de monitoramento orbital que permitem detectar, identificar, qualificar, quantificar e cartografar a dinâmica do uso e ocupação das terras no Brasil, em vários níveis espaciais. Um desses sistemas é o de monitoramento orbital de queimadas, operacional há mais de 15 anos. Baseado em dados dos satélites da série NOAA-AVHRR, obtidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe, o sistema permite a detecção diária do uso do fogo na agricultura em todo o território nacional. Os dados semanais, mensais e anuais para estados, regiões, país e diversos recortes geográficos diferenciados são disponibilizados na Internet (www.queimadas.cnpm.embrapa.br).

Queimadas

O monitoramento das queimadas tem demonstrado como a expansão da agricultura moderna, principalmente da soja, do milho e do algodão, tem levado a uma redução no uso do fogo. Isso é particularmente visível no Centro-Oeste. A título de exemplo, as Figuras 1 e 2 apresentam o total das queimadas detectado em Goiás e nas partes sul e central do Mato Grosso nos anos de 2000 e 2006. Nesse período houve uma redução de 11.104 focos para 6.561 focos de queimadas, ou seja, uma diminuição da ordem de 41%. Os dados mensais e anuais permitem refinar a análise dessa dinâmica espacial e temporal.

Resultados análogos de redução de queimadas ocorreram tanto no sul do Maranhão, como na região oeste da Bahia. A expansão da soja, do algodão, do milho, dos reflorestamentos e da agricultura irrigada no oeste da Bahia foi monitorada por satélite para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES (www.bndes.cnpm.embrapa.br/) e apresentou uma enorme evolução entre 1985 e 2000, em uma dinâmica que prossegue até hoje. Nas Figuras 3 e 4, a expansão do agronegócio é exemplificada pelas classes de agropecuária moderna (em vermelho) e áreas irrigadas (em roxo). Elas apresentaram um crescimento, no período analisado, de 154% e 526%, respectivamente. Em valores absolutos, isso significa um aumento de 975 mil ha para a agropecuária moderna e uma expansão superior a 90 mil ha em áreas ocupadas com culturas irrigadas. Áreas com reflorestamento, inexistentes em 1985, já ocupavam mais de 24 mil ha em 2000. Todas as transformações foram acompanhadas por uma significativa expansão das áreas urbanizadas (mais de 126% em relação a 1985). O sistema de monitoramento por satélite, do uso e ocupação das terras, continua gerando subsídios tanto para agentes do agronegócio, como para gestores de políticas de fomento e crédito na região.

 

Novas tecnologias

Outro exemplo são os ganhos de adequabilidade no uso agrícola das terras, devido à incorporação de novas tecnologias. Na ausência de tecnologias modernas, as terras agrícolas podem ser subutilizadas ou sobre-utilizadas. Uma primeira avaliação da dinâmica da adequabilidade da ocupação agrícola das terras foi realizada em colaboração com a Abag-RP e o Projeto Ecoagri (Fapesp) em uma área de aproximadamente 52.000 km2, abrangendo 105 municípios da região nordeste de São Paulo. Confrontados digitalmente, em um sistema de informações geográficas, os arquivos cartográficos do mapa de aptidão das terras e dos mapas de uso e cobertura de 1988 e 2003 indicaram que as classes “ocupação perfeitamente adequada” passaram de 52% em 1988 para 62% em 2003, graças ao uso de novas tecnologias agrícolas de mecanização e insumos (www.abagrp.cnpm.embrapa.br/).

Os ganhos de adequabilidade, devido principalmente à mecanização, levaram a um maior respeito da aptidão das terras em função do relevo. Uma das conseqüências desse processo é a recuperação da vegetação natural em áreas de preservação permanente, como beira de rios, declives acentuados e topos de morro, em que as máquinas não operam e onde a agricultura moderna não se instala. Os dados de satélite evidenciam: a expansão da agricultura tecnificada e mecanizada é quase sinônimo de manutenção e/ou recuperação de mata ciliar, como vem ocorrendo com a expansão da soja em diversas regiões de Mato Grosso (Diamantino, Rondonópolis, Primavera do Leste) e com a cana-de-açúcar em São Paulo e Minas Gerais.

Satélites

Nos últimos anos, cresceram o número de satélites de empresas privadas operando e comercializando dados e a capacidade de tratamento de informações orbitais e cartográficas pela Embrapa Monitoramento por Satélite. Isso ampliou a aplicação de geotecnologias na gestão territorial do agronegócio brasileiro e permitiu a definição de indicadores específicos sobre a adoção de tecnologias, bem como a identificação de áreas e sistemas de produção carentes dessas inovações.

modernizacao induz a conservacao (3)

modernizacao induz a conservacao (4)

Dentre as técnicas e tecnologias que ganharam precisão e reduziram custos estão o mapeamento do uso e ocupação atual das terras, os zoneamentos ecológico-econômicos, a caracterização regional e local da agricultura e dos agricultores para o mercado de fornecedores de insumos e a eletrificação rural, os estudos de avaliação de impacto ambiental para projetos agroindustriais, o monitoramento da sustentabilidade agrícola, os estudos para implantação de projetos de etanol e biodiesel, o mapeamento e a caracterização da biodiversidade nas áreas agrícolas, a detecção e monitoramento de queimadas e desmatamentos e o apoio à gestão de bacias e microbacias hidrográficas em áreas rurais. Em todas essas aplicações observam-se mudanças na paisagem rural decorrentes da incorporação de tecnologias agrícolas geradas pelo sistema nacional de pesquisa agropecuária, visíveis no campo e observáveis pelos satélites em órbita terrestre.

Publicado em:

MIRANDA, Evaristo Eduardo de ; MORAES, Adriana Vieira de Camargo; CRISCUOLO, Cristina. MODERNIZAÇÃO INDUZ A CONSERVAÇÃO. Agroanalysis (FGV), v. 27, p. E07-E09, 2007.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *