MEIO AMBIENTE E AGRONEGÓCIOS NO MARANHÃO


(02/01/2002)

Evaristo Eduardo de Miranda

O meio ambiente está diretamente ligado às principais oportunidades e ameaças para a maioria dos projetos de desenvolvimento e investimento no Estado do Maranhão. Investimentos em infraestrutura, nas cadeias do agronegócio, em turismo, agricultura e serviços implicam sempre a questão ambiental.

Preocupado em conciliar o desenvolvimento econômico com a preservação ambiental, o Governo do Maranhão desenhou e implantou um processo de zoneamento ecológico-econômico (ZEE), pioneiro no país.

Esse sistema de gestão territorial e ambiental integrada, foi desenvolvido pela Embrapa Monitoramento por Satélite (www.cnpm.embrapa.br). Ele é capaz de responder a toda uma série de indagações que preocupam o planejamento e o desenvolvimento econômico, agrícola e ambiental.

Em primeiro lugar, o sistema desenvolvido colocou na Internet uma infinidade de informações básicas para estudos preliminares de viabilidade e oportunidade de negócios e investimentos, dentro de uma visão territorial. Para os interessados, o acesso aos dados é absolutamente transparente e gratuito.

Baseado, sempre que possível, em softwares de domínio público, seus produtos, de fácil utilização, estão disponíveis na Internet (www.zee.ma.gov.br), passíveis de consultas e até de cruzamentos de dados, de forma remota, gratuita e amigável. O sistema oferece mapas, imagens de satélite, fotos aéreas, dados numéricos e admite consultas por município, região de governo e para o conjunto do Estado e segue sendo implantado e enriquecido.

O site tem recebido uma média de 3000 consultas por dia desde o seu lançamento! Quem deseja informações sobre a sócio-economia do Maranhão, encontra no site do ZEE dados hierarquizados sob a forma numérica e de mapas. O interessado pode gerar, com dados do IBGE, SUS, GEPLAN, Banco do Brasil etc., mapas do seu interesse e explorar sua repartição espacial, tanto para o Estado, como para cada região de Governo. Caso o mapa não atenda o usuário, um sistema inédito permite definir para cada variável de interesse, o número e extensão de classes, o tipo de estatística que deseja aplicar e até a cor de cada classe no mapeamento. Foram elaborados cerca de 5700 mapas sobre agronegócio, saúde, educação, sistema financeiro, energia, telefonia, população e cidadania, além disso, um número infinito de mapas pode ser gerado para cada usuário em função de seus interesses e preocupações.

Esse sistema permite avaliar a real importância do Maranhão no agronegócio do Nordeste e do País. Apesar de representar apenas 16% da área e da população rural do Nordeste, o Estado responde por cerca de 25% de sua produção de soja, mais de 54% do arroz e 28% da produção de cereais do Nordeste. Na área de produção animal, o Maranhão detém 27% dos suínos e 18% dos bovinos do Nordeste, além de apresentar os maiores índices de produção de cereais, oleaginosos e grãos por habitante rural. A evolução e o crescimento dos indicadores sociais e econômicos têm sido significativa e muito positiva nestes últimos 5 anos, como pode ser observado em vários mapas e dados numéricos disponíveis no site do ZEE.

Quem deseja conhecer o uso das terras e a ocupação agrícola no Estado, numa região de governo ou num determinado município, pode recorrer a uma série de fontes disponibilizadas no ZEE. Imagens de satélite cobrindo todo o Estado, com cerca de 30 metros de resolução podem ser consultadas, obtidas e utilizadas facilmente, tanto em base digital original, como sob a forma de cartas-imagens na escala 1:250.000, devidamente georreferenciadas, onde as principais estradas, localidades e toponímias foram colocadas.

Trata-se do primeiro Estado do Brasil a produzir e disponibilizar cartas-imagens para a totalidade do seu território. O ZEE também elaborou dois mosaicos de imagens orbitais do Estado, um para 1984 e o outro do ano 2000. A consulta e a comparação das informações é simples graças a um software desenvolvido pela Embrapa Monitoramento por Satélite.

Não existe um zoneamento ou mapa que responda a todas as demandas de interesse do setor agrícola. Assim, zoneamentos específicos estão sendo discutidos e elaborados em função de problemas e demandas precisas: expansão da soja, caju, carcinocultura, reflorestamento etc. A definição e conteúdo das bases de dados estão sendo continuamente refinados em função da demanda e do uso real a que se destinam. Novas informações serão agregadas sobre o meio físico e biótico.

Uma estrutura de informática e de rede de comunicação, específica e moderna, foi instalada pela GEPLAN, com a colaboração da Embrapa, e encontra-se funcionando em tempo integral. A atualização do sistema é constante. Um exemplo é o Monitoramento Orbital das Queimadas. As queimadas são detectadas diariamente a partir do satélite NOAA. Mapas semanais e mensais são disponibilizados no site do ZEE e permitem o acompanhamento do fenômeno.

Quem pensa investir no Maranhão não pode deixar de consultar o site do ZEE.

Publicado em:

MIRANDA, Evaristo Eduardo de . Meio ambiente e agronegócios no Maranhão. EcoRio, Rio de Janeiro – RJ, p. 11-13, 2002.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *