CIDADES E MORADIAS SUSTENTÁVEIS

(17/05/2010)

Evaristo Eduardo de Miranda

 

Este ano, pela primeira vez na história, a maioria dos 6,6 bilhões de habitantes do planeta passou a viver em cidades. A urbanização segue crescente. Falar de cidades e moradias sustentáveis parece uma ilusão quando mais de um bilhão de habitantes urbanos vivem em favelas, sem acesso a coleta de lixo, longe da água de qualidade e onde a ausência de saneamento causa tantas enfermidades.

A casa sustentável, ecologicamente correta e de baixo custo,é possível e funciona como uma segunda pele do próprio morador. Ela é o ecossistema particular de cada habitante. Suas interações ambientais reproduzem ao máximo as condições naturais: ventilação, umidade relativa do ar, temperatura, alimento, geração e gestão de resíduos, iluminação, conforto, sensação de segurança e bem-estar. Muitas dessas soluções são questões de projeto e não implicam equipamentos ou materiais caros.

Elas valorizam os recursos naturais locais, aproveitam materiais da reciclagem de edificações demolidas, evitam produtos tóxicos e embalagens descartáveis, cuidam da gestão da água de chuva e das águas residuais, utilizam a energia solar, integram as áreas externas e áreas verdes com o funcionamento interior das residências e adotam sistemas construtivos sustentáveis. Diversas experiências de sucesso existem em todo o Brasil e pelo mundo. E o que vale para casas e escolas novas, pode em parte ser aplicado a antigas moradias e edifícios escolares. As casas e os equipamentos urbanos representam grandes oportunidades de reciclagem de materiais e resíduos sólidos.

Construções sustentáveis bebem pouca água, evitam vazamentos, adotam sistemas de captação de água de chuva e de reuso para lavagem de pisos, calçadas, descargas e irrigação de jardins. Casas sustentáveis promovem cidades sustentáveis ao estimular outro modo de vida mais saudável, seguro e solidário.

 

Publicado em:

MIRANDA, Evaristo Eduardo de . Cidades e Moradias Sustentáveis. Brasil Cristão, Campinas – SP, p. 20 – 20, 01 maio 2010.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *