O PRIMEIRO JUDEU EXPULSO DA SINAGOGA


OU

O PROTÓTIPO DOS QUE CHEGAM À FÉ

OU

A PRIMEIRA OVELHA DO BOM PASTOR

OU

A VITÓRIA DA LUZ SOBRE AS TREVAS

OU

TODO HOMEM É CEGO DE NASCENÇA

(JOÃO 10, 1-38)

(24/5/2000)

Evaristo Eduardo de Miranda

O SINAL (1-7)

O SINAL CONSTATADO (7-12)

O SINAL CONTESTADO (13-34)

EPÍLOGO (35-38)

O SINAL: O CEGO DE NASCENÇA RECUPERA A VISÃO

Tradição sinótica: Mt 20,29-34 = Mc 10,46-52 = Lc 18,35-43

Tradições singulares: Mt 9,27-31; 12,22; Mc 8,22-26

Saindo do Templo (e não entrando!)

Detêm-se diante de um cego a quem dá a visão: chegada dos tempos messiânicos

Cf. Mt 11,5 (discípulos de João Batista); Is 29,18; 35,5; 42,7. A cura: 14 vezes no texto!

Dele obtém um ato de fé, iluminado pela fé (fôtisthéntes) eco do NT; AT 26,16-18; 1Tm 5,5; Ef 5,8-14; Hb 6,4; 1Pd 2,9)

Os fariseus têm sua própria cegueira denunciada. Ficam desconcertados

Jesus replica com firmeza e apresenta-se como o Bom Pastor

Discurso que prolonga a controvérsia

Por trás das ovelhas que escutam o Bom Pastor está o miraculado

Por trás dos intrusos os chefes da sinagoga que expulsaram o cego

O duplo Amém confirma a continuidade do discurso em 10,1

Fórmula que introduz o aprofundamento de uma afirmação procedente de Jesus desde que a audiência permaneça a mesma.

A interrogação final dos judeus remete ao episódio do milagre (10,21)

Não se trata de um texto desconexo que poderia entrar em qualquer lugar.

Dá continuidade aos capítulos 7 e 8. Inicia-se com a conjunção “e” subentendida

Ilustra a palavra de Jesus do 8,12 – Eu sou a luz do mundo no 9,5.

A hostilidade a Jesus dos capítulos anteriores dirige-se ao miraculado.

Expulso da sinagoga (anacronismo 9,22 = Rm 10,9 (holologéseis)

Decisão dos fariseus somente no ano 90, reunião de Jâmnia,

ovelha maltratada; primeira ovelha que Jesus conduz as pastagens abundantes.

Sinal de vitória da luz sobre as trevas.

Anuncia o Dom de sua vida para que seja reunida a comunidade dos fiéis (10,18)

Unidade literária: milagre (o sinal do cego que recupera a visão e dá testemunho (9,1-38) /controvérsia (9, 39-41)/ discurso (10, 1-21) como no capítulo 5.

TODO HOMEM É CEGO DE NASCENÇA

A matéria dela mesma não vê nada, não sabe nada

Só vê e sabe, se for animada pelo espírito vivente

Muitas cegueiras.

Cegueira = opressão, paganismo, ignorância (os que ficam falando)

Cegos diante da realidade humana e inexorável da morte

Aceitar a condição humana.

Aceitar nossa vida e nossa morte.

Enquanto estiver no mundo, ser a luz no mundo.

Não interessa a origem e a história da pessoa.

Desígnio benevolente de Deus,

O mistério da sua vontade: a salvação de todos (Efésios 1,9).

Jesus vai em direção ao cego, sem distinção.

O mundo ainda tem medo de Jesus.

O bom pastor acolhe.

Gênese do homem = sopro e saliva com o barro do terroso (Gn 2,7).

Barro = incarnação do Cristo (pais da igreja).

Jesus usa e sacraliza a natureza para curar.

Cura física como sinal da cura espiritual

Tapar o sol com a peneira: não ver a morte.

Exéquias como momento ideal para abrir os olhos.

Quem ficou: o morto?

Porque morreu: para manifestar a glória de Deus.

Trabalhar enquanto é dia, enquanto vivos.

Depois da morte, oração e esperança.

Aceitarmo-nos como somos e perdoar a si, a Deus e aos outros.

Após crer nas virtudes da incarnação,

Sempre é necessário mergulhar na piscina do batismo.

Banhar-se nas águas da vida.

Lavar o passado.

Renascer da água e do espírito (sopro)

Siloé: cura até para quem morreu.

Siloé. Enviados. Ao jardim dos mortos.

Nos cemitérios, procurando enxergar (apesar das críticas e dos que falam)

EU ERA CEGO E AGORA VEJO

Itinerário iniciático proposto

Aceitar nossa condição humana e ver que não vemos a luz.

Aceitar o sopro e a palavra (saliva) que habitam nosso pó (presença do Outro e dinâmica da alteridade)

Mergulhar nossa condição humana e suas racionalidades numa nova consciência (consciência do outro).

Fazer surgir o que há de melhor nos outros (e em nós).

Somos enviados do alto, nascidos do alto (anothén), do sopro e da palavra.

Ser lavado de todas as memórias, significa sair do tempo e do espaço, não ser mais deste mundo e entrar na eternidade.

Após essa mudança de consciência, voltar sobre a praça do mercado e não desaparecer num deserto de espiritualidade inefável.

Não mais projetar as memórias, referências, passados sobre o que é…

Ir ao mercado e ver o que é como é, com clareza e consciência; ver as coisas como são, na luz de Deus. Evangelizar. Ter idade suficiente. Deixar-se interrogar (v.23)

Dizer com o cego: eu era cego e agora vejo. Todo o dia. E dizê-lo, ainda mais, na passagem da morte, na nossa páscoa.

1 comment for “O PRIMEIRO JUDEU EXPULSO DA SINAGOGA

  1. Conceição de Maria
    9 de julho de 2018 at 08:45

    Assim como cego precisamos ser livres de dogmas e religiosidade para reconhecer o Cristo, o Filho de Deus, e declarar: Eu creio Senhor! (João 9:34:38)
    Muitos dos principais creram Nele, mas não o confessaram para não serem expulsos de um sistema de crenças/sinagogas (João 12:42).Não é numa ou noutra religião que devemos crer, mas nas escrituras, elas testificam que, “Jesus é o caminho, a verdade e a vida”. (João 14:6)
    O cego entendeu isto,confessou sua fé em CRISTO, foi salvo. Que Deus pai nos conduza ao filho, pelo poder do Espirito Santo. Amém.

Deixe uma resposta para Conceição de Maria Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *