FOGO INTERIOR


(1/5/2006)

Evaristo Eduardo de Miranda

“Por que vos parece que apareceu o Espírito Santo hoje sobre os apóstolos, não só em línguas, mas em línguas de fogo? Porque as línguas falam, o fogo alumia. Para converter almas, não bastam só palavras: são necessárias palavras e luz. Se quando o pregador fala por fora, o Espírito Santo alumia por dentro, se quando as nossas vozes vão aos ouvidos, os raios da sua luz entram ao coração, logo se converte o mundo.” Assim falava o padre António Vieira no seu Sermão do Espírito Santo. Somos co-operadores na obra de Deus. Sem o Espírito Santo, nossa obra e doutrina são vãs.

“O Espírito Santo vos ensinará tudo o que eu vos tenho dito” (Jo. 14,26). Existe uma grande diferença entre dizer e ensinar. O professor, o sacerdote, o bispo e o papa dizem, falam para todos, mas não ensinam todos. Todos ouvem, mas apenas alguns aprendem. “Para aprender, diz Vieira, não basta só ouvir por fora: é necessário entender por dentro. Se a luz de dentro é muita, aprende-se muito; se pouca, pouco; se nenhuma, nada. O mesmo nos acontece a nós. Dizemos, mas não ensinamos, porque dizemos por fora; só o Espírito Santo ensina, porque alumia por dentro. Por isso até o mesmo Cristo, pregando tanto, converteu tão pouco. Se o Espírito Santo não alumia por dentro, todo o dizer, por mais divino que seja, é dizer. Mas se as vozes exteriores são assistidas dos raios interiores da sua luz, logo qualquer que seja o dizer, e de quem quer que seja, é ensinar, porque só o Espírito Santo é o que ensina.”

O Espírito Santo, que desceu sobre os apóstolos em Jerusalém, os ensinou para que eles ensinassem ao mundo. Dizia Santo Agostinho que cada leigo, cada pai de família em sua casa, é um sacerdote e um bispo. Em Pentecostes, estejamos disponíveis para que Ele desça sobre todos nós, e nos ensine a querer ensinar, amar e evangelizar. Que Ele nos ajude a deixar ensinar, a não impedir o batismo, a catequese e a evangelização daqueles a quem devemos a santa doutrina cristã. Por herança e tradição: familiar, apostólica e eclesial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *