CRIAR E PROCRIAR


(16/9/1997)

Evaristo Eduardo de Miranda

O homem é a via da Igreja. E a família é a expressão primordial desta via. Como escrevia na Carta às Famílias. “o mistério da encarnação do verbo está em estreita relação com a família humana”. Não apenas com uma, a de Nazaré, mas de certa forma com cada família…

João Paulo II no encerramento do Congresso Pastoral Teológico, Rio de Janeiro, outubro de 1997

Ao ato de criação divino corresponde o ato da procriação do humano.

A primeira procriação é uma antítese da criação e leva à morte.

A segunda procriação é imagem e semelhança do ato do Incriado.

CRIAÇÃO

PROCRIAÇÃO

Gn 1:26 e 5:1

Primeira procriação Gn 4:1

Segunda procriação Gn 4:25-26 e 5:3

NÖS faremos (emprego raríssimo 3,22; 11,7 e Is 6,8)

Eu

Nós

Palavra criadora

o homem penetrou Hava

Adâm conheceu sua mulher

Abençoado

Filho não nomeado

Filho nomeado (Hava e Adâm)

à nossa réplica,imagem, zelem, zel = sombra, mas também proteção

adquiri (qana) Ter, possuir (Dt 32,6; Sl 139,13; Pr 8,22)

Elohîms me deu outra semente

segundo nossa semelhança, demout, dam = sangue, Adam, terra vermelha como o sangue

Qaîn (comprado, conseguido)

Shét (descendência)

Filho não situado

Filho situado

Frutificai,

Hèbél (névoa, fumaça Ecl 1,1) “Inconsistência, fraqueza, vaidade'(Qo 1,1) Morto se esvairá sem deixar marcas nem progenitura

Shét também dá à luz um filho (nomeado e situado/sinalizado, com ascendentes, ele é fértil e gera descendência)

Multiplicai

dois mal gerados

Nomeia o filho (Enosh)

à nossa réplica (somvra), segundo nossa semelhança (sangue)

Adâm gera à sua semelhança, segundo sua réplica

O Incriado gera o incriado

Tornar-se semelhança

A criação do humano e sua incriação

IHWH começa a ser nomeado, invocado, clamado

Criar-nos o menos possível para permitir-nos de advir.

Para que nós sejamos nele, é necessário que ele nos faça nele, o Nós divino.

Mas para que nós sejamos como ele, ele não deve nos fazer.

Evangelho de Mateus

José o homem de Maria da qual foi gerado Jesus.

Três diferenças com a genealogia que precede:

O homem é nomeado como homem de uma mulher.

A mulher é nomeada antes da criança.

A criança é o sujeito do verbo gerar no particípio passado.

Até o texto um homem sujeito gerava um filho objeto.

Que adulto se torna sujeito e gera um filho objeto.

No versículo 16 muda tudo.

O homem não faz nada, ele é o homem da mulher.

A mulher também não faz nada, mas é aquela de quem provém a criança.

A criança é o sujeito do verbo “ser gerado” sem complemento: ela não é gerada para… nem é destinada a nenhum de seus pais.

Ela é dita a ungida, o messias, o cristo por outros não identificados.

José o homem de Maria da qual é gerado Jesus , a quem chamam de Cristo.

as quatorze gerações (17)

Ora, de Jesus Cristo/Messias tal foi a gênese (18a)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *